quarta-feira, maio 16, 2007

Gato Fedorento


Tiago Dores, Ricardo Araújo Pereira, Zé Diogo Quintela e Miguel Góis. São estes os "Fantastic Four" do humorismo nacional. Quatro talentosos jovens que fazem rir este país triste, com as suas sátiras únicas e os seus comentários típicos.

Não são os meus ídolos, até porque não os tenho, mas andam lá perto. Foi ao ler o blog do Gato Fedorento que percebi o quão bons estes tipos são a escrever, na minha opinião muito melhores que a fazerem sketches para a televisão. Se bem que aquelas rábulas do Paulo Bento, do "o que tu queres sei eu" ou da Ainda Maior Entrevista a Alberto João Jardim conseguem atingir um patamar de excelência tal que podem tornar estes indivíduos motivo de veneração. Aqui distingue-se Ricardo Araújo Pereira, que é de todos o melhor, o mais capacitado em termos de televisão, e no meu gosto pessoal, o que consegue fazer os melhores textos, apesar de os outros três escreverem igualmente muito bem.

Mas existem certas e determinadas coisas que me inquietam. Uma delas, o placard que afixaram em Lisboa, ao lado do cartaz do PNR. Apesar de muito apreciado por quase todos, eu vou no caminho da impopularidade e indigno-me. Mas que raio é isto? Humoristas armados em políticos? Ridículo... Se têm pretensões políticas (como todos os cidadãos, têm direito a isso) por favor larguem o humor e dediquem-se à política. Não queiram transformar a Assembleia da República numa sala de ensaios humorísticos! Já tem piada suficiente assim como está.

Outra coisa que me põe em estado Panike é aquela incapacidade notória de satirizarem o Benfica, nomeadamente por parte do Ricardo (ele próprio admite). É uma falha deles como humoristas, pois quem faz humor tem de conseguir fazê-lo acerca de tudo, sobretudo acerca daquilo que mais significado tem para si próprio. O que é estranho, porque o que o Gato Fedorento faz de melhor é a auto-crítica.

Também irritante é aquela preocupação, ou melhor direi, aquela obsessão em não cometerem calinadas, por mais insignificantes que possam ser. No "Diz que é uma espécie de magazine" assiste-se todas as semanas a essa perseguição ridícula a uma forma perfeita de expressão. Qualquer atropelo serve logo para os restantes membros do grupo começarem a dizer "já vais para as calinadas do 24 Horas!"

E já agora, acho que o Gato Fedorento precisa urgentemente de uma pausa. Um ano, dois. O suficiente para nos fazer perceber que não conseguimos viver sem o seu humor. Os próprios afirmam que vão ausentar-se um pouco depois de concluído o "Diz que é uma espécie de magazine" para descansarem e para não ser sempre a mesma coisa. Aí está uma prova da sua inteligência, ao recusarem caír no erro de lançar programas a torto e a direito para ficarem com o bolso mais cheio. Por favor, façam uma pausa (com Kit-Kat, claro) rapidamente, pois estão a banalizarem-se perigosamente. A maioria dos sketches já nem uma gargalhada me arranca...

2 Comments:

Blogger Pedro Santos... aka BERIMBAU said...

oh pah, admite lá: o teu motivo p t indignares tanto foi por o ricardo t ter dado uma tampa, e n t ter assinado os collants!
=P

3:38 da tarde  
Blogger Pedro said...

Não querias mais Nádia!!!

5:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home